Qual será o futuro do marketing político digital?

O marketing político digital brasileiro ainda caminha sob passos da experiência vitoriosa norte-americana. As eleições de 2010 mostraram a necessidade da evolução desse segmento no país. Apesar da adesão de candidatos às novas mídias, as campanhas mostraram números seqüenciais de falhas em processos de comunicação, erros que questionam o futuro do marketing digital político. Campanhas descoordenadas entre mídias tradicionais e redes sociais, militantes com pouco conhecimento ideológico e mesmo político, desatualização de conteúdos permearam o cotidiano das campanhas tupiniquins.

Um problema ainda maior surgiu ao fim das eleições entre os candidatos que se sagraram vitoriosos: o abandono das ferramentas digitais, deixando mais de 60 milhões de internautas sem comunicação de ações de governo e diminuindo os canais em que o político pode “vender o peixe”, dialogar e captar simpatizantes. A ferramenta, além de barata, faz-se eficaz, levando legendas e entidades ao imaginário permanente da população.

Como herança aos brasileiros, os Estados Unidos representam uma experiência bem-sucedida no uso das novas mídias. No país em que nove em cada dez internautas acessam redes sociais, o novo modelo firmou-se como uma importante arma em campanhas e mandatos. Iniciada em 2004 por Howard Dean, candidato às prévias presidenciais do Partido Democrata, o uso maciço das mídias sociais ganhou força na campanha do correligionário Barack Obama.

Em 2008, o candidato fez das ferramentas tecnológicas uma importante arma eleitoral. Propagando o envio de mensagens por SMS ao eleitorado, além de e-mails e vídeos quase diários, popularizou ideais e economizou recursos que seriam gastos em anúncios nas mídias tradicionais. Nas mídias sociais mobilizou milhões de simpatizantes às causas democratas, que o ajudaram a ocupar o posto mais importante da política mundial. Pode-se dizer que Obama criou um marco no marketing político digital.

Ainda distante do cenário norte-americano, a realidade brasileira passa por questões que incluem o despreparo profissional e a necessidade de “ideologizar” o cidadão frente às causas. Essa é a opinião de Marcos del Valle Martins, co-fundador da Metagov, empresa de marketing digital atuante nas últimas disputas eleitorais.

Com a experiência em campanhas vitoriosas no Executivo e Legislativo, com auxílio das redes sociais e das novas ferramentas tecnológicas, o empresário analisa o cenário brasileiro e ressalta a necessidade da manutenção das ações digitais nos mandatos políticos.

Pesquisa recente mostra que nos Estados Unidos 35% dos eleitores usam a internet como meio de obtenção de informações sobre política. Até que ponto esse “novo público” influencia as ações de marketing político?

Acho que esse número é baixo quando levamos em consideração que a política é muito mais do que informações sobre as atuações legislativas ou executivas. Faz parte da vida de todo o cidadão: as estradas sobre a qual ele anda, os impostos que paga, os parques nos quais caminha, enfim, existem varias dimensões da política que afetam a vida cotidiana.

O que o novo “marketeiro” político tem de entender é que 100% dos usuários da internet estão interessados em material desta natureza. Precisamos aprender como nos comunicar com o cidadão na web. Diferentemente de outros veículos, o usuário tem a opção de “escutar”, ou não. O profissional deve tornar o conteúdo relevante e interessante e, ainda mais importante, saber distribuí-lo de forma efetiva. De forma geral, o “novo público” influencia diretamente a estratégia do marketing político eleitoral, pois o público irá determinar a mensagem, e não ao contrario.

Os números de arrecadação e de simpatizantes obtidos por meio online seguem números completamente diferentes no Brasil e exterior. Enquanto nos Estados Unidos Obama conseguiu mais de US$ 150 milhões pela internet, Marina Silva obteve R$ 230 mil com a mesma estratégia. Seguir os mesmos passos dos EUA, que contam com economia e cultura diferentes da nossa, garantem por si só um futuro promissor no marketing político online?

O contexto político e tecnológico do Brasil é muito diferente da realidade norte-americana. Nos Estados Unidos as pessoas já nascem democratas ou republicanos. No Brasil o voto ideológico ainda não representa uma fração significativa do eleitorado brasileiro. Com isso, cada vez mais as campanhas precisam usar da criatividade para conseguir captar doações, tanto do ponto de vista de mensagem quanto do meio de captação. O recurso do envio de mensagens SMS, por exemplo, poderia ser um canal interessante para ser utilizado como forma de envio de doação. Durante a tragédia do terremoto do Haiti, milhões de dólares foram captados através deste meio. O brasileiro já está bastante acostumado a utilizar este meio de envio de remessa. Em termos de mensagem acho que quem chegou mais próximo de ter uma ferramenta eficiente foi a candidata Marina silva. Mas ainda há bastante trabalho a ser feito neste sentido.

Dados recentes mostram a adesão dos brasileiros pelas redes sociais. Quase 60 milhões de pessoas acessam sites de relacionamento online no país. Mesmo com a avalanche de informações e a “preferência”, há profissionais qualificados para atender a demanda do novo mercado?

No Brasil o mercado ainda é extremamente embrionário, vivendo da experiência bem sucedida dos Estados Unidos. As redes sociais só ganharam força há cerca de seis anos e as empresas e políticos só se atentaram para esta “jogada” há quatro anos. Seria impossível alguém dizer hoje que é “especialista” em redes sociais. Apesar de termos algumas experiências, cases de sucesso, ninguém consegue se tornar especialista em tão pouco tempo. O que temos hoje são empresas, que buscam entender os fatores que motivam as pessoas a dialogar nas redes sociais, o tipo de mensagem que gera o maior impacto, o vídeo com potencial para se tornar viral, a mensagem mais propensa a ser reproduzida no Twitter. Dúvidas como estas permeiam nosso cotidiano profissional e, aos poucos, vamos encontrando a fórmula do sucesso digital.

Fica portanto a pergunta título deste artigo para você fazer o seu comentário. Qual será o futuro do marketing político digital?

Fonte: Metagov

Qual será o futuro do marketing político digital?
5 (100%) 1 voto[s]

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here