Doações de campanha pela Internet na campanha de Marina Silva

Por Caio Túlio Costa

Ainda na fase da pré-campanha, Marina Silva estava no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e foi abordada por um garoto que lhe colocou R$ 25 na mão. Ele disse que o dinheiro era para sua campanha eleitoral. Marina explicou que não poderia aceitar a contribuição porque a campanha ainda não era oficial. Mas prometeu que ele seria o primeiro doador quando sua candidatura começasse a arrecadar doações de campanha eleitoral.

Na segunda-feira, 9 de agosto de 2010, Marina Silva lançou oficialmente o sistema de arrecadação de doações de campanha eleitoral pela Internet. Ele operava em caráter de teste desde a sexta-feira. O menino Ari, cujo nome é Aristodemo Pinotti, então com 11 anos, na companhia de seu pai, André Pinotti, foi o primeiro doador oficial. O pai entrou na rede na presença dos jornalistas que acompanhavam a operação e doou os R$ 25 por meio de seu cartão de crédito.

Estreava naquele instante a doação online para um candidato a presidente – Marina Silva foi pioneira. A plataforma de arrecadação, que também cadastrava simpatizantes, voluntários e doadores, foi construída a toque de caixa durante três mesess. O objetivo era atender à demanda da arrecadação e criar um banco de dados para a candidata. Pronta para funcionar desde julho, quando estavam autorizadas doações diretas às campanhas eleitorais de acordo com o calendário eleitoral, sofreu uma série de problemas burocráticos, todos ligados aos meios de pagamentos, em especial aos cartões de crédito, que impediram a estreia no momento programado. A arrecadação só entrou em operação um mês depois, em agosto, quando as principais empresas de cartão de crédito se sentiram suficientemente seguras com o seu funcionamento. Atuou durante 58 dias apenas.

A estratégia de doações para campanha eleitoral pela Internet da campanha de Marina Silva em 2010
Os resultados, apesar de financeiramente tímidos, podem ser considerados extraordinários. O sistema funcionou bem e mostrou que se pode criar o hábito da captação de recursos entre pessoas físicas. De quebra, a democracia brasileira agora tem alternativa ao sistema tradicional de financiamento de candidaturas. Na campanha de Marina Silva, a arrecadação final ficou em R$ 170 527,75.

Uma projeção linear, evidentemente sujeita a erro como qualquer projeção, mostra que, se Marina Silva tivesse tido o mesmo tempo que Obama teve para arrecadar, ela teria atingido R$ 1,9 milhão em pequenas doações, uma soma considerável numa campanha que custou R$ 24,1 milhões. O detalhe é que Marina Silva arrecadou mais na internet do que Dilma Rousseff, que não divulgou o resultado final de sua arrecadação online. Informações aparecidas alguns dias antes do primeiro turno davam conta de uma arrecadação em torno de R$ 150 mil. José Serra preferiu não abrir o seu sistema de arrecadação na rede.

Funcionalidade nas estratégia de doações de campanha eleitoral na Internet

Quando se compara a maneira como se podia doar para Marina Silva com a maneira de como se podia doar para Dilma Rousseff entendem-se de imediato as razões pelas quais o sistema de doação de campanha eleitoral pela Internet de Marina Silva funcionou tão bem. Com apenas dois cliques um internauta conseguia doar qualquer quantia a partir de R$ 5 para a campanha verde. No site de Dilma, eram necessários sete cliques para finalizar a doação. O sistema era bem mais complicado, mais demorado.

Navegabilidade e usabilidade são termos que se usam na Internet para definir e construir sites de fácil navegação e facilidade para realizar operações – como a de comprar alguma coisa ou, no caso, doar para uma causa. O site de Marina Silva foi projetado e finalizado com essa preocupação, com essa obsessão.

O sistema de SRM (social relationship management) conseguiu cadastrar, entre simpatizantes, voluntários e doadores – capazes de ajudar na disseminação da mensagem da candidatura – 20.831 pessoas no pouco tempo que teve de funcionamento em sua plena capacidade: os mesmos 58 dias da arrecadação.

A estratégia de doações de campanha pela Internet na campanha de Marina Silva é um bom exemplo para quem deseja implementar essa ferramenta nas campanhas de marketing político digital nas próximas eleições.

Avalie este artigo

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here