Candidatos pedem votos nas redes sociais

Utilizar as redes sociais para se aproximar do eleitorado é uma das principais apostas dos candidatos que disputam as eleições municipais deste ano em todo o País.

Desde o sucesso da campanha que elegeu Barack Obama como presidente dos Estados Unidos, em 2008, baseada numa eficiente estratégia de marketing político nas redes sociais, o marketing digital vem ganhando lugar de destaque nas campanhas políticas, tornando-se um elemento vital na conquista do eleitorado.

A linha de ação é diversificada, desde os sites oficiais interativos, presença nas redes sociais, como Facebook e Twitter até a utilização de aplicativos móveis, como o Instagram, tudo para facilitar a integração candidato-eleitor.

Na disputa pela maior prefeitura do País, a de São Paulo, onde o pleito deve ser muito acirrado, as coordenações das campanhas dos oito principais postulantes já estão intensificando a presença online.

Para o coordenador de Marketing Eleitoral da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Victor Trujilo, a principal mudança que a internet traz para as campanhas eleitorais deste ano é a possibilidade de o eleitor participar ativamente do processo de escolha do candidato e é justamente por isso que os candidatos pedem votos nas redes sociais. “Agora o eleitor tem voz. Ele pode denunciar, protestar, discordar, coisas que antes não fazia”.

E isso, destaca o professor, trouxe mudanças para o próprio marketing político. “Se antes um candidato cometesse uma gafe, nada acontecia. Hoje pode se transformar em um viral.”

Apesar das mídias sociais estarem em alta nessas eleições e fazerem parte do dia a dia das campanhas dos candidatos que pleiteiam conquistar a prefeitura ou uma vaga no legislativo municipal, Victor Trujilo destaca que a internet no Brasil ainda não está universalizada, portanto, isoladamente não deverá alterar significativamente o eventual sobe e desce dos candidatos nas pesquisas.

Contudo, ele argumenta que não se pode desconsiderar o grande poder das redes sociais na disseminação de mensagens ou dos chamados virais.



Coligações também ganha identidade virtual

Mesmo com o advento das redes sociais, as coordenações de campanha não abrem mão de investir em questões que já fazem parte do cenário político brasileiro, como o nome das coligações.

Seja para ganhar tempo no horário eleitoral gratuito votos de eleitores ou apoio nas Casas Legislativas elas são definidas numa eleição com o objetivo de aumentar o poderio eleitoral dos partidos.

”O nome da coligação é também uma espécie de recado que o eleitor vai ver inúmeras vezes durante a campanha”, afirma o consultor de marketing político Antônio Melo.

Segundo o especialista, essa denominação tem ainda o objetivo de evidenciar ao eleitorado a proposta administrativa e o posicionamento do candidato.

Os nomes das coligações dos candidatos mais bem posicionados nas pesquisas de intenção de voto na Capital, são: José Serra (PSDB): “Avança, São Paulo”, Celso Russomano (PRB): “Uma nova história para São Paulo”, Fernando Haddad (PT): “Para mudar e renovar São Paulo”, Gabriel Chalita (PMDB): “São Paulo em primeiro lugar”, Soninha Francine (PPS): “Um sinal verde para São Paulo”, Paulo Pereira da Silva (PDT): “São Paulo mais perto de você”, Carlos Giannazi (PSOL): “Frente de esquerda” e Levy Fidelix (PRTB): “São Paulo tem solução”.

A tendência é de que as campanhas eleitorais nas redes sociais fiquem cada vez mais ativas, pois este canal é a grande aposta em termos de marketing político digital.

Fonte: Info Exame

Avalie este artigo